domingo, novembro 13, 2011

Díli recorda 20 anos do massacre de Santa Cruz




Milhares de pessoas marcharam no passado sábado entre a igreja de Motael e o cemitério de Santa Cruz em Díli para assinalar o vigésimo aniversário do massacre perpetrado por militares indonésios contra timorenses, provocando centenas de mortos e feridos.


Os participantes, a maior parte dos quais jovens de escolas secundárias e da Universidade de Timor-Leste, terminaram a marcha em frente ao cemitério de Santa Cruz, onde foram feitos vários discursos que apelaram à unidade nacional.
"Viva Timor-Leste" foi a expressão mais ouvida durante as mais de quatro horas de duração da marcha e da concentração, que terminou com música, dança e a deposição de flores no cemitério.
A participação de tantos jovens deixou emocionado o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, que em declarações à agência Lusa disse que é altura de os jovens começarem a aparecer no processo "para corrigir os mais velhos".
"Devem começar a aparecer neste processo como uma força que possa corrigir a nós os velhos, a nós que estamos em partidos, eles podem fazer isso, eles podem, como mudaram no passado, mudar agora", disse Xanana Gusmão.
Na cerimónia, organizada pelo Comité 12 de novembro, participaram também o Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, e o secretário-geral e o presidente da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (FRETILIN), Mari Alkatiri e Franscisco Lu Olo, respetivamente.
Além de vários membros do governo, estavam também o antigo chefe das Forças Armadas general Taur Matan Ruak, o vice-chefe das Forças Armadas, brigadeiro-general Filomeno Paixão, e elementos do corpo diplomático.
A 12 de novembro de 1991, mais de duas mil pessoas reuniram-se numa marcha até ao cemitério de Santa Cruz, em Díli, para prestarem homenagem ao jovem Sebastião Gomes, morto em outubro desse ano pelos elementos ligados às forças indonésias.
No cemitério, militares indonésios abriram fogo sobre a multidão.
Segundo números do comité 12 de novembro, 2.261 pessoas participaram na manifestação, 74 foram identificadas como tendo morrido no local e 127 morreram nos dias seguintes no hospital militar ou em resultado da perseguição das forças ocupantes.
Os restos mortais da maior parte das vítimas continua por ser localizado.

video

VIDEO: Sapo.tl



quarta-feira, agosto 24, 2011

GNR pretende dar um Natal melhor às crianças timorenses

Louvável iniciativa da GNR, já concretizada em Natais anteriores.


Agradece-se a contribuição e/ou divulgação desta campanha lançada pelo Capitão Duque Martinho:


"Exmo. Sr. ou Sr.ª:

A Guarda Nacional Republicana encontra-se desde meados de 2006 numa missão de apoio à paz em Timor-Leste. Desde então, tem vindo a contribuir significativamente para a manutenção da ordem e da tranquilidade pública naquele país, mas também, desenvolvido diversos e bem sucedidos projectos de solidariedade social.

O contributo que temos vindo a dar aquele país irmão, tem sido reconhecido nacional e internacionalmente e tem estreitado as relações entre dois países historicamente ligados.

O próximo contingente da GNR em Timor-Leste, com partida em finais de Outubro de 2011 e duração de 6 meses, pretende dar continuidade a esses projectos, com especial atenção para a época natalícia que se avizinha, onde ambicionamos proporcionar um Natal único e inesquecível às crianças Timorenses.

Para atingir esse desidrato necessitamos da colaboração dos Portugueses em geral e de V.Exa em particular. Procuramos entidades públicas ou privadas, solidárias com aquele País, que se juntem a nós nesta iniciativa para proporcionar um Natal melhor e mais feliz às crianças Timorenses.

Na qualidade de próximo comandante do contingente da GNR, venho por este meio, solicitar a V.Exa a doação de qualquer tipo de artigo em estado novo que possa ser oferecido a uma criança/jovem. Nomeadamente, artigos escolares e didácticos em geral, roupa de verão e sapatos, ou qualquer outro que entenda conveniente.

Disponibilizamo-nos para os recolher em qualquer ponto do País, dentro da medida do possível e das fortes restrições orçamentais a que a GNR se encontra actualmente sujeita, ficando no entanto, a garantia de serem transportados para Timor-Leste e ali distribuídos em estreita colaboração com a Fundação Alola.

Estando previsto a ampla mediatização deste evento o seu contributo será com certeza reconhecido, mas principalmente, alvo de um profundo agradecimento por parte do povo Leste-Timorense.

Despeço-me apelando ao seu contributo e agradecendo desde já a atenção disponibilizada.
Com os melhores cumprimentos,
______________________________________________________________________
Guarda Nacional Republicana - Unidade de Intervenção – Capitão Duque Martinho
+35121358900 – martinho.jad@gnr.pt "

segunda-feira, agosto 22, 2011

Xanana Gusmão vestiu pela última vez a farda de guerrilheiro - FALINTIL



Dezanove anos depois de ter sido detido pelo exercito indonésio, Xanana Gusmão recuperou os seus pertences pessoais, entre os quais uma bandeira de Portugal. Um gesto simbólico dos militares indonésios, no dia em que o carismático comandante vestiu pela ultima a sua farda de guerrilheiro.

 


http://tv2.rtp.pt/noticias/?headline=20&visual=9&tm=7&t=Xanana-Gusmao-vestiu-pela-ultima-vez-a-farda-de-guerrilheiro.rtp&article=471551&source=mail






Díli, 20 ago (Lusa) - Mais de 200 antigos elementos das Forças Armadas da Independência e Libertação de Timor-Leste foram hoje desmobilizados numa cerimónia que decorreu no Palácio do Governo, em Díli.

Entre os 236 elementos a desmobilizar encontravam-se o actual primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, o chefe das Forças Armadas, Taur Matan Ruak, e o presidente do principal partido da oposição (FRETILIN), Francisco Lu Olo Guterres.

No discurso de encerramento da cerimónia, o presidente do país, Ramos Horta, destacou que a "busca de paz e diálogo" pela resistência acabou por vencer.

"O tempo provou que Xanana Gusmão também estava certo. A busca de paz e diálogo pela resistência timorense acabou por vencer e as Forças de Defesa de Timor-Leste são por isso as herdeiras da tradição pacífica do nosso povo e as suas missões são missões de defesa da paz e da soberania nacional", afirmou o chefe de Estado timorense.

O presidente Ramos Horta salientou também o apoio dos parceiros da cooperação no plano da modernização e desenvolvimento das forças armadas do país.


"Há pouco tempo tive a satisfação de me despedir dos militares que vão contribuir para as missões da ONU no Líbano, integrados no contingente de engenharia militar portuguesa", disse.





Hasta Siempre, Comandante!...


Xanana Gusmão com os filhos Daniel e Kay Olo



terça-feira, julho 19, 2011

Academia das Artes e Indústrias Criativas de Timor-Leste - Desfile de Moda

Integrado no lançamento da Academia das Artes e Ciências Criativas
 14 de Julho, em DÍLI








 
Mais imagens aqui: Desfile de Moda de tais  e  AQUI


 

segunda-feira, julho 18, 2011

Nelson Mandela comemora 93ª aniversário


PARABÉNS   MANDELA !!!



Se houvesse mais homens que (pelo menos) se parecessem com Nelson Mandela, o mundo seria muitíssimo mais pacífico e solidário!


O ex-presidente Nelson Mandela comemora seu 93º aniversário ao lado de familiares em sua casa, em Qunu
Foto: Reuters


A nação sul-africana está a comemorar o 93º aniversário de Nelson Mandela com milhões de jovens estudantes das escolas locais a cantar àquele que se tornou um ícone da luta anti-apartheid, enquanto outros dedicaram o dia à prática de ações de caridade honrando a contribuição de Mandela para os direitos humanos.

Foram mais de 12 milhões os jovens estudantes que participaram na festa cantando o “Parabéns a você” numa versão especialmente adaptada para a ocasião antes do início das aulas esta segunda-feira, numa ação que foi coordenada pela Fundação Nelson Mandela, governo e outras instituições.

A Fundação tornou público que com o conjunto de atividades previstas para esta segunda-feira, pretendeu “mobilizar toda a sociedade para a promoção da educação, unidade e coesão social em honra de Madiba (o nome por que é conhecido pela sua tribo, Xhosa).

Mandela tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul. Foi eleito em 1994, depois de sair da prisão de Robben Island. Preso sob a acusação de ser o líder do “Umkhonto we Sizwe” braço armado do Congresso Nacional Africano (ANC) e de organizar e levar a cabo atos de sabotagem, esteve 27 anos preso pelo regime segregacionista.
HALALA MADIBA, HALALA!
Happy birthday to you,
Happy birthday to you,
Happy birthday dear Tata,
Happy birthday to you.
We love you Tata
We love you Tata
We love you Tata
We love you Tata
Nelson Mandela
Nelson Mandela. Ha hona ya tshwanang le wena (there's no one like you).
Ha hona ya tshwanang le wena, ha hona ya tshwanang le wena.
Yeep yeep!
Hooray!


Nota: Canção elaborada expressamente para ser cantada esta segunda-feira, pelos alunos das escolas sul-africanas antes da abertura das aulas.

Libertado ao final desse longo interregno, assumiu o seu papel histórico e garantiu a transição para um governo e regime negro na África do Sul. Conquistando a admiração do mundo por ter conseguido sair de um longo período de encarceramento demonstrando uma capacidade por todos salientada de perdão e de união, conseguiu aquilo que antes se considerava impossível, a transformação pacífica do regime do apartheid num regime em que brancos e negros convivem lado a lado e pacificamente.

Razão pela qual nesta segunda-feira, não foram apenas sul-africanas as mensagens de parabéns que Nelson Mandela recebeu. Foram muitos os líderes mundiais que quiseram associar-se à celebração dos 93 anos do Prémio Nobel da Paz de 1993.

O atual Presidente da República da África do Sul, Jacob Zuma, que agradeceu a Deus a contribuição de Mandela ao seu país natal, dirigiu-lhe uma comunicação especial.

Zuma recordou na sua mensagem que toda a gente soube que a África do Sul seria diferente quando Mandela saísse da prisão.

"Ele mostrou-nos que, apesar da opressão racial divisionista e das dificuldades que esta nação tinha atravessado, não é apenas possível, mas necessário abraçarmo-nos uns aos outros e reconciliar o povo Sul-Africano", disse Zuma.

Barack Obama, outro homem que conseguiu tornar-se o primeiro presidente negro desta feita nos Estados Unidos, enviou também ele uma mensagem de cumprimentos ao homem que apelidou de "um farol para a comunidade global, e para todos que trabalham para democracia, justiça e reconciliação".

O dia 18 de julho pela importância de Nelson Mandela não só para o seu país mas também para a comunidade internacional, passou a ser assinalado pelas Nações Unidas como o dia de Nelson Mandela.

Na África do Sul foram muitas as iniciativas levadas a cabo a propósito deste dia tão significativo para todos os cidadãos daquele país africano.

Escolas, orfanatos e clínicas foram limpas e pintadas, comida, roupa, livros e brinquedos foram doados em operações de caridade destinadas a ajudar os mais necessitados.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban-Ki-Moon, tomou o exemplo de Nelson Mandela e apelou ao mundo que ouvisse o apelo de Nelson Mandela para o voluntariado e o apoio aos mais necessitados.

Nelson Mandela tem reduzido ao máximo as suas aparições públicas devido ao estado debilitado em que se encontra. O dia deverá passa-lo com a família, na sua casa em Qunu, mil quilómetros a sul de Joanesburgo.




domingo, julho 10, 2011

O "Movimento 1 Euro"

globo

A Associação

A AIDHUM - Associação de Interajuda e Desenvolvimento Humano - é uma associação de solidariedade social, apolítica, sem fins lucrativos, criadora do "Movimento 1 Euro".
O "Movimento 1 Euro" utiliza apenas o apoio financeiro dos associados - 1€ por mês, por associado - para apoiar causas escolhidas e votadas por todos através deste website.
"Movimento 1 Euro"...  1 Euro, um Sorriso!

Junte-se a nós


O "Movimento 1 Euro" é o resultado de um movimento de pessoas para pessoas.
A AIDHUM representa, através do projecto "Movimento 1 Euro", um movimento cívico que pretende unir, organizar e mobilizar as vontades da sociedade civil com o objectivo de colmatar determinadas insuficiências do país em diversas áreas, desde a economia, à saúde, ao meio ambiente, cultura e educação. Desta forma o Movimento 1Euro irá apoiar, associações/instituições sociais que desenvolvem o seu trabalho nas mais diferentes áreas.

Distinguimo-nos por termos um projecto que utiliza apenas o apoio financeiro dos associados (1Euro por mês, por cada associado), para apoiar causas escolhidas e votadas por todos os associados através do nosso website.

capa_aidhum_Site









Ao contrário de algumas associações sociais que utilizam as quotas dos associados para financiar a estrutura da associação e o apoio financeiro das empresas para apoiar os projectos sociais. Através do "Movimento 1 Euro" queremos que os associados da AIDHUM sintam a diferença que o seu 1 Euro faz na vida de alguém.
De uma forma moderna e inovadora o “Movimento 1Euro” apresenta mensalmente fotografias, vídeos, cartas de agradecimento das associações/instituições ajudadas, relatórios de contas. No Projecto Movimento 1Euro quem escolhe onde quer utilizar o seu apoio financeiro (1Euro) são os associados que mensalmente votam, através do nosso site, na causa que querem ver apoiada.

Acreditamos que com pouco, mas unidos, podemos fazer muito.

Clique no link seguinte para aceder ao dossier de apresentação do Movimento 1 Euro para saber mais sobre nós:
http://www.movimento1euro.com/images/stories/dossier_aidhum_completo.pdf


quarta-feira, junho 29, 2011

Exposição de Fotos Lisboa / Recolha de livros para Timor

As fotos das crianças que encheram os corações dos portugueses


Estão no Terreiro do Paço, na exposição “Rostos de Esperança”, as crianças que José Revez conheceu e fotografou entre 1999/2001. Eram 120 as fotos que registaram a sua primeira visita ao país e encheram os corações dos que as observaram pela primeira vez.

Na altura era difícil perceber como andava o país e por isso as fotografias de Revez eram uma janela aberta para ver crianças timorenses de vários distritos de Timor. Primeiro estiveram na Av. 5 de Outubro, no Ministério da Educação, mais tarde foram editadas em livro.

Outras viagens a Timor se seguiram para realizar projectos, reconstruir escolas, organizar uma campanha que deu em escola de solidariedade (no bairro da catedral) e construir uma escola portuguesa em poucos meses.

O livro com crianças que contam histórias com o olhar, editado em 2001, voltou agora a ganhar vida, dez anos depois numa exposição com direcção artística do Arq. Jorge Cid . Na visita podemos acompanhar a mudança de expressão dos rostos das crianças que passam do choro ao riso e se entrecruzam com elementos etnográficos que mostram a riqueza cultural e singularidade do país.

E como em todos os projectos em que se envolveu, José Revez procurou mais uma vez que esta exposição revertesse a favor das crianças de Timor. Para isso associou a exposição a visitas guiadas e envolveu escolas portuguesas na entrega de cartas e livros para Timor.


Do projecto fazem parte escolas de Ainaro, Baucau, Ermera, Liquiça, Same, Viqueque, Oecusse e Dili. O material recolhido será transportado pela GNR na próxima missão que começa em Outubro. Até final de Julho os livros e cartas podem ser entregues no Livrão que está à entrada da exposição.




sexta-feira, maio 20, 2011

Timor-Leste / 9º Aniversário da Restauração da Independência

Parabéns a todo o povo timorense por este aniversário!

UNIÃO, PAZ e DESENVOLVIMENTO


Comemorações em Lisboa, pela Embaixada de T-L em Portugal


Teacher, Rebel, Spy, First Lady

Kirsty Sword Gusmão, alias, Ruby Blade

Incredible Journey


Over the course of a decade starting in 1992, Australian Kirsty Sword underwent a remarkable transformation, from mild-mannered teacher, to political activist, to spy for a band of guerillas waging war against a military occupation. By 2002, she was the first lady of the world's youngest nation -- Southeast Asia's Timor-Leste, or East Timor, which celebrates its ninth year of independence on May 20, 2011. Sword Gusmão, as she is now known, recently spoke with LIFE.com and -- through a series of photos, many of them personal and never-before-published -- told her own story and that of the birth of her adopted home.



DAQUI: http://www.life.com/gallery/51911/image/79764786/teacher-rebel-spy-first-lady#index/0

quinta-feira, maio 05, 2011

Novas Medidas de Austeridade da Troika

Olha a troika a dizer...




...que contrariamente ao anúncio de SExa. o primeiro-ministro, o programa português não é mais leve do que o irlandês ou o grego.
...que contrariamente às ameaças de SExa. o primeiro-ministro, nunca sequer foi considerada a hipótese de cortar 13º e 14º mês.
...que muitas das medidas agora acordadas já tinham sido preconizadas há muito pelas instituições europeias, mas nunca implementadas pelo governo.
...que o PEC4 não era específico nas medidas de consolidação orçamental e que não ia suficientemente longe nas reformas estruturais em prol do crescimento económico.
...que por vontade da Comissão, do BCE e do FMI acabavam com as parcerias público-privadas, mas que houve que fazer compromissos.
...que se a ajuda tivesse sido pedida mais cedo as medidas a tomar poderiam ser menos dolorosas.
Olha a troika a dizer, de forma educada mas inequívoca, que no fundo isto...



                                                                                ...foi uma farsa

Já foram anunciadas as novas medidas de austeridade acordadas entre o Governo e a Troika para que Portugal possa receber os 78 mil milhões de €.

Resumidamente, as medidas que só entrarão em vigor no próximo ano, com maior influência na vida dos portugueses:

1. Aumento dos impostos 2012 e 2013
    – Aumento Imposto sobre o Tabaco e do Imposto sobre os Automóveis
    – Subida do IMI e cortes nas isenções
    – Descida do IMT
    – Redução da SS (ainda não quantificada)
    – Reduções nas Deduções do IRS -Entre outras reduções, a dedução do crédito à habitação no IRS   terá tendência para desaparecer nos próximos anos;
     – Subsídio de Desemprego e Rendimento Social de Inserção sujeitos a IRS
     – Aumento do IVA em determinados bens/serviços, nomeadamente no gás e na electricidade

2. Cortes nas despesas do Estado
    – Cortes nas pensões acima de 1.500 €
    – Limitar a entrada de funcionários públicos – reduzir 7.000 trabalhadores por ano (por exemplo saem trabalhadores por exemplo para a reforma e não são substituídos)
    – Promoções Limitadas
    – Não há mais reduções salariais, mas os aumentos congelados até 2013
    – Parcerias Publico-Privadas actuais reavaliadas e congeladas as novas parcerias

3. Contratos de Trabalho - Neste momento estas medidas só são aplicáveis aos novos contratos
    – Alargados os conceitos de inadaptação
    – Indemnização no máximo de 10 dias de indemnização por ano de trabalho + 10 dias por um fundo a constituir pelas empresas

4. Subs de Desemprego
    – Máximo subs desemprego 1048 €
    – Desemprego ao fim de 12 meses de contrato (em vez dos actuais 15 meses)

A taxa de juro que vamos pagar pelos 78 mil milhões ainda não foi determinada.

Em conferência de imprensa destinada a explicar os termos do acordo de ajuda externa a Portugal, o representante da Comissão Europeia, Jurgen Kröger, referiu que as medidas que constam no acordo de entendimento entre o Governo e a 'troika' seriam "menos restritivas nalgumas áreas" se Portugal tivesse pedido ajuda mais cedo, afirmou hoje o chefe de missão da missão, Jurgen Kroeger.

Este responsável acrescentou ainda que o PEC IV foi "um bom ponto de partida" para a elaboração do plano, mas que "não era suficientemente profundo em reformas estruturais", uma vez "que se concentrava apenas em medidas fiscais".

'TROIKA'

"Medidas seriam menos restritivas se Portugal tivesse pedido ajuda antes"

O representante do FMI na 'troika', Poul Thomsen, considerou que ao PEC "faltava medidas mais específicas" e "tinha falhas em termos de reformas estruturais e no sector financeiro". "O objectivo de [reduzir o défice para] 3,9 por cento não estava a ser bem conseguido através do PEC IV", disse Poul Thomsen.


Hoje é dia da língua portuguesa

Bandeira dos países Lusófonos
                    Bandeira dos países Lusófonos / Foto: Arq. OBV


















(Alguns sites consideram o dia 10 de junho, como dia da Língua Portuguesa)

Com mais de 240 milhões de falantes, é a quinta língua mais falada no mundo e usada na Internet, a mais falada no hemisfério sul, a terceira mais falada no mundo ocidental e das que usam o alfabeto latino.
                         
A língua portuguesa é uma língua românica flexiva que se originou no que é hoje a Galiza e o norte de Portugal, derivada do latim vulgar que foi introduzido no oeste da península Ibérica há cerca de dois mil anos.

Tem um substrato céltico/lusitano, resultante da língua nativa dos povos pré-romanos que habitavam a parte ocidental da península (Galaicos, Lusitanos, Célticos e Cónios). O idioma se espalhou pelo mundo nos séculos XV e XVI quando Portugal estabeleceu um império colonial e comercial (1415-1999) que se estendeu do Brasil, na América, a Goa, na Ásia (Índia, Macau na China e Timor-Leste).
Foi utilizada como língua franca exclusiva na ilha do Sri Lanka por quase 350 anos.

É oficial em Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e, desde 13 de julho de 2007, na Guiné Equatorial. É também falada nos antigos territórios de Índia Portuguesa (Goa, Damão, Ilha de Angediva, Simbor, Gogolá, Diu e Dadrá e Nagar-Aveli) e em pequenas comunidades que faziam parte do Império Português na Ásia como Malaca, na Malásia e na África Oriental como Zanzibar, na Tanzânia.

Possui estatuto oficial na União Europeia, no Mercosul, na União Africana, na Organização dos Estados Americanos, na União Latina, na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e na Associação dos Comités Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa (ACOLOP).

No momento atual, o português é a única língua do mundo ocidental falada por mais de cem milhões de pessoas com duas ortografias oficiais (é notado que a inglês têm diferenças de ortografia pontuais mas não ortografias oficiais divergentes). Esta situação deve ser resolvida pelo Acordo Ortográfico de 1990.


Nos séculos XV e XVI, à medida que Portugal criava o primeiro império colonial e comercial europeu, a língua portuguesa se espalhou pelo mundo, estendendo-se desde as costas africanas até Macau, na China, ao Japão e ao Brasil, nas Américas. Como resultado dessa expansão, o português é agora língua oficial de oito países independentes além de Portugal, e é largamente falado ou estudado como segunda língua noutros.


Além disso, encontram-se em várias localidades no mundo numerosas comunidades de emigrantes onde se fala o português, como em Paris, na França, Hamilton, nas Ilhas Bermudas, Toronto, Hamilton, Montreal e Gatineau no Canadá, Boston, Nova Jérsei e Miami nos EUA e nas províncias de Aichi, Shizuoka, Gunma e Mie, no Japão.

O Dia da Língua Portuguesa e da Cultura é comemorado em 5 de Maio, sendo promovido pela CPLP e celebrado em todo o espaço lusófono.




segunda-feira, maio 02, 2011

Um fascista a menos mas ainda muitos tipos de fascismos presentes no mundo

 

Não gosto do fascismo nem do terror. Não gosto do fascismo islâmico, nem do fascismo dos grupos de extrema-direita norte-americanos, nem do fascismo neo-nazi. Não gosto do terror dos gangs associados ao tráfico de droga no mundo. Não gosto dos fascismos disfarçados e dos seus múltilos rostos: do fascismo financeiro por exemplo: "É o fascismo que comanda os mercados financeiros de valores e de moedas, a especulação financeira, um conjunto hoje designado por economia de casino.

[…] por ser o mais pluralista é também o fascismo mais virulento porque o seu espaço-tempo é o mais refractário a qualquer intervenção democrática.[…] O fascismo financeiro em suas variadas formas e âmbitos é exercido por empresas privadas cuja acção está legitimada pelas instituições financeiras internacionais e pelos Estados hegemónicos. São um fenómeno híbrido para-estatal e supra-estatal. A sua virulência reside no seu potencial de destruição, na sua capacidade para lançar no estado natural de exclusão países pobres inteiros." (Boaventura de Sousa Santos, Reinventar a democracia, Cadernos Democráticos, 1998:37-41) Sublinho que a data deste livro não é um erro. É mesmo 1998.   

Também não gosto do terror de nenhuma forma. Não gosto do terror estalinista que nos anos 1930 levou gente como Bukharine, Zinoviev, Kamenev, Preobrajensky a "confessar" crimes imaginários.

Não gosto nem do terror de Robespierre que, em nome da "virtude" revolucionária, levou à guilhotina centenas de pessoas, nem do terror do Termidor que, no dia da execução de Robespierre e Saint-Just, atingiu 90 mortos num só dia; o máximo atingido na revolução francesa. Este é um terror que não costuma ser designado de terror. Não gosto dos fascismos anti-americanos, nem pró-americanos. Tal como não gosto do fascismo e do terror hitleriano anti-comunista e anti-judaico, não gosto to terror pró-israelita nem do terror pró-palestiniano, Tenho uma opinião pessoal sobre as suas diferentes razões de ser mas penso que nunca serão uma solução. Por maiores que sejam os actuais defeitos e insuficiências da democracia não serão nunca estes os meios de resolver e ultrapassar seja o que for.

Devemos talvez recordar Gandhi e Martin Luther King que defenderam a não-violência, pagaram por isso, mas conseguiram atingir uma boa parte dos seus objectivos com meios pacíficos.


por António Pinho Vargas Facebook

segunda-feira, abril 25, 2011

25 de ABRIL, Sempre!

               

O 25 de Abril foi comemorado de Norte a Sul do país de domingo para segunda-feira com concertos, fogo de artifício e marchas um pouco por todo o país.

Cavaco, Sampaio, Soares e Eanes juntaram-se no Palácio de Belém para assinalar o 37.º aniversário da Revolução dos Cravos numa cerimónia que acabou assim por ‘substituir' a tradicional sessão solene comemorativa na Assembleia da República, que este ano foi cancelada depois da dissolução do Parlamento.


Como estão distantes os ideais de Abril!...

Distantes no tempo mas, sobretudo, distantes da vida 'democrática' que hoje vivemos.
Não foi para chegarmos a esta situação que os Capitães de Abril fizeram a revolução.
Dos 3 D's apenas 2 se podem considerar atingidos, a Descolonização e a Democratização.
Quanto ao Desenvolvimento, estamos longe de o atingir. Basta ver a situação económico-financeira em que o país se encontra mergulhado!

Esta democracia que agora temos tem muitas deficiências - sobretudo ao nível da distribuição da riqueza e da igualdade.

O povo português tem de tomar nas suas mãos o destino do país. E tem agora, a 5 de Junho, oportunidade de mostrar o seu desagrado, a sua indignação, para com a classe política e os partidos.

O descrédito nos partidos que têm dividido entre si os lugares na Assembleia da República é tão grande que só uma votação duma maioria muito grande da população e uma participação mais activa da sociedade civil permitirão ultrapassar.

 
"Para aqueles que dizem que "não foi para isto que se fez o 25 de Abril", eu contraponho: "o 25 de Abril não chegou a fazer-se". Os antibióticos têm de ser tomados até ao fim das doses prescritas, para matar os agentes infecciosos. Na sociedade portuguesa, a meia dúzia de cápsulas tomadas à pressa em 1974, deixaram resquícios totalitários e fascistoides, que os democratas não conseguiram nem sabem como controlar. Tal como o virus da SIDA, vivem escondidos no sistema linfático do estado mascarados de "defesas". Enquanto se mantiverem inimputáveis, não digam que vivemos em democracia, porque... não é verdade. Eu qq dia falo das minhas experiências. Por agora, não me levem a mal que faça como Pilatos, e lave daí as minhas mãos. Não tenho mais corpo para dar às balas".


quinta-feira, abril 21, 2011

Governo português é vítima dos «abutres» do rating


Presidente de Timor-Leste diz que agências de notação financeira especulam com a situação portuguesa.

O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, disse esta segunda-feira que o Governo de Sócrates foi vítima dos «abutres» das empresas de rating, que especulam com a situação portuguesa, mas não dão notação B aos Estados Unidos, que têm um défice «assustador».

«Do que eu tenho analisado ao longo dos meses, é óbvio que o actual governo de José Sócrates fez esforços enormes. São as agências de rating que manipulam, deliberadamente ou por pura ignorância, os mercados e levam a países que se têm de financiar nos mercados internacionais, como Portugal, a pagar juros excessivamente elevados, o que é totalmente inaceitável», sustentou o Presidente timorense.

«São as tais que não conseguiram ou não quiseram alertar os investidores para as falcatruas que se fizeram em Wall Street e em várias agências de investimento e bancos americanos, e para investimentos imobiliários especulativos, nos EUA, em Inglaterra, no Dubai. Por isso não têm credibilidade», disse, numa entrevista conjunta à Lusa e RTP em Díli.

Ramos-Horta considera «estranho» que as agências de rating «não falem na economia italiana, muito mais endividada do que a portuguesa, ou mesmo dos EUA».

O défice americano «é assustador», considerou. «Se por hipótese a China retirar de lá os seus investimentos, os Estados Unidos poderão pagar? Creio que não. Os chineses sabem-no e isso provocaria uma debandada em relação ao dólar, que não interessa a ninguém, muito menos a Timor-Leste que já está a sofrer desde há três anos com a depreciação do dólar que ocorre precisamente devido ao défice americano. Mas não vemos as agências de rating a dar notação B aos Estados Unidos», comentou.

Segundo o Presidente timorense, «obviamente que nem tudo está bem em Portugal, mas o que está mal tem vindo a ser corrigido».

DAQUI

Compra de dívida portuguesa tem acordo de Xanana e Alkatiri - Ramos-Horta


O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, disse hoje que a iniciativa timorense para a compra de dívida portuguesa, com outros países, tem a concordância do primeiro ministro, Xanana Gusmão, e do líder da oposição, Mari Alkatiri.

"O que eu propus, em consonância com o primeiro-ministro, Xanana Gusmão, e com o líder do principal partido da oposição, Mari Alkatiri, é uma iniciativa inovadora na história financeira moderna", disse.

O Presidente timorense adiantou que o primeiro ministro, Xanana Gusmão, tem-se envolvido em diligências nesse sentido, nomeadamente na sua recente deslocação ao Brasil.

"Conversou com a Presidente Dilma sobre isso e ela reagiu muito positivamente e esperamos sensibilizar também os angolanos para este projeto", disse o chefe de Estado timroense em entrevista conjunta à Lusa e RTP em Díli.

Ramos-Horta afirma que Timor-Leste sozinho pode comprar "alguma dívida portuguesa, como já investiu na dívida soberana australiana, grega ou italiana".

"Para nós é um investimento, como temos estado a investir ao longo de cinco anos, sem grande lucro, nas promissórias do tesouro americano", explica.

O Presidente timorense prefere uma ação concertada com o Brasil e Angola e, eventualmente com outros países, "para moralizar um pouco" o mundo financeiro internacional.

"Numa segunda fase, podemos mesmo mobilizar a China para combater essa onda especulativa porque também interessa aos chineses pôr um travão nisso", admite.

É, no entanto, no quadro da CPLP que Ramos-Horta preconiza a intervenção, apontando o Brasil, Angola e possivelmente Moçambique, para além de Timor-Leste, como os países que podem comprar dívida portuguesa, por negociação direta com o governo português que sair das próximas eleições.

Ramos-Horta referiu o caso concreto do Brasil, "que foi um país endividado e que no passado sofreu muito com o FMI, e hoje tem grande liquidez e uma economia emergente à escala mundial", e também de Angola, que "tem também liquidez" e "poderio" proveniente do petróleo e dos diamantes, além de Timor-Leste, "com uma dimensão muito menor, mas também com alguma liquidez".

Em relação ao Brasil, Ramos-Horta salienta que "tem de defendido ao longo dos últimos anos uma nova ordem económica internacional, mais justa", pelo que "é a altura de fazer por isso".

"Quanto a Angola, não me parece que haja dificuldades, até porque já está a investir fortemente em Portugal, mas ainda não conversámos sobre isso, o que deveremos fazer numa próxima deslocação àquele país", esclareceu.


MSO
Lusa